O inglês é falado por 1,5 bilhão de pessoas;
O chinês por 1,2 bilhão;
O indu por 1,0 bilhão;
51 línguas são faladas por uma pessoa
1.500 línguas são faladas por menos de mil pessoas;
240 línguas são faladas por 96% dos seres humanos.
Acredita-se que daqui a l00 anos restarão 100 línguas;
24 daqui a 300 anos.
O inglês, espanhol e chinês e espanhol sobreviverão.
O português será incorporado pelo espanhol.

ALíngua Portuguesa

Noperíodo medieval, o português nasceu da cisão do galaico-português emdois falares distintos (galego e português).
A sua estrutura de língua novi-latina manteve-se mas recebeu, ao longodo seu período de formação, a contribuição de outras línguas,especialmente o árabe e as línguas germânicas.
No período renascentista, o grego e, principalmente, o latim eruditocontribuíram para uma maior variedade vocabular, e para a estruturaçãolingüística e gramatical.
Com as Grandes Navegações e as Descobertas, a língua portuguesa adotouvocábulos de diferentes origens.
Nos séculos XVIII e XIX, sofreu influência do francês.
No século XX, do inglês.

Aslínguas no Brasil

Antesde 1.500 havia 1.175 línguas.
Hoje são menos de 200. Certamente línguas indígenas.
O Brasil não tem dialetos.
No máximo, tem regionalismos.

Alíngua portuguesa no Brasil

Osdescobridores, os primeiros povoadores e os padres falavam o português.
Os índios potiguaras, viatãs, tupiniquins, caetés, tupinambás,guaranis, carijós, tapuias, aymorés, goytacazes e tamoios falavam suaslínguas. Foram identificadas na costa cerca de 76 nações e línguas. Sóno Amazonas existiam mais de 150. Os estudos das línguas indígenascomeçaram com o padre biscaino João Azpicuelta Navarro.
Os bandeirantes falavam a língua geral, mistura de português com aslínguas indígenas
Em 1583, as línguas africanas foram introduzidas no Brasil com achegada de quatro mil escravos da Guiné. Sofreriam alterações findo otráfico. Nina Rodrigues foi o primeiro a estudar as línguas e osdialetos da Guiné, Angola, Moçambique, Costa da Mina, Daomé e Sudão,predominando o nagô e o ioruba, na Bahia, e o quibundo, no Norte e noSul.
Em 1595, em Coimbra, foi publicada por Antônio de Mariz a “Arte deGramática da Língua mais usada na costa do Brasil”, feita pelo padreJosé de Anchieta que também elaborou “Diálogo da Doutrina Cristã” e“Arte da língua brasílica” a que todos os jesuítas deviam ler.
Em 1727, Dom João V fez saber ao governador do Maranhão que os índiosdeveriam ser instruídos na língua portuguesa.
Em 1755 em São Luís e Belém só se falava a língua tupica, inclusive nospúlpitos das igrejas.
Em 1757, O Código do Marques de Pombal ou a Lei do Diretório tinha porobjetivos vulgarizar a língua portuguesa Com ela se conseguiu mudar alíngua do Pará, São Paulo e Maranhão, determinando o ensino da línguaportuguesa.
Em 1768, o guarani era a língua usada na intimidade em S ???p?ão Paulo.
Em 1823, José Honório Rodrigues registrou in “Humanidades”, revista daUnB: A vitória real da língua portuguesa no Brasil só foi registrada300 anos depois da chegada dos descobridores, quando os brasileirosfalaram pela primeira vez sua própria língua, em reunião pública, nosdebates da Assembléia Constituinte de 1823”
O português é falado em sete países,espalhados por cinco continentes, por mais de 230 milhões de pessoas.
181,0 milhões no Brasil
18,9 milhões em Moçambique
12,0 milhões em Angola
10,0 milhões em Portugal
4,5 milhões de portugueses na Europa, América do Norte e América do Sul
1,1 milhão em Guiné Bissau
1,0 milhão em Macau, Timor Leste, Goa, Damão e Diu
434,0 mil em Cabo Verde
134 mil em São Tomé e Príncipe
A língua portuguesa tem um acervo de500 mil palavras.
A 1ª edição do VocabulárioOrtográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras, em1981, coordenado por Antonio Houais, registrou 360 mil palavras
Admite-se que hoje hajam:
160 mil na língua viva do Brasil e
140 mil na língua viva em Portugal.
Reformas Ortográficas na LínguaPortuguesa
Em 1911, Portugal adotou a 1ª reforma ortográfica
Em 1931, foi aprovado o 1° Acordo Ortográfico entre Brasil e Portugalpor iniciativa da Academia Brasileira de Letras e a Academia dasCiências de Lisboa
Em 1943, foi adotada a 1ª Convenção Ortográfica entre Brasil e Portugal
Em 1945, adotou-se a Convenção Ortográfica Luso Brasileira, em Portugale não no Brasil.
Em 1971, foi promulgada Lei, no Brasil, reduzindo as divergênciasortográficas com Portugal, com a simplificação.
Em 1973, foi promulgada Lei, em Portugal, reduzindo as divergênciasortográficas com o Brasil.
Em 1975, a Academia das Ciências de Lisboa e a Academia Brasileira deLetras elaboraram novo projeto de acordo que não foi aprovadooficialmente.
Em 1986, realizou-se no Rio de Janeiro o primeiro encontro dacomunidades dos países de língua portuguesa, tendo a AcademiaBrasileira de Letras apresentado o Memorando Sobre o Acordo Ortográficoda Língua Portuguesa. Também se realizou o Encontro de VerificaçãoOrtográfico da Língua Portuguesa, que teve como Secretário GeralAntonio Houaiss, que apresentou o documento Bases Analíticas daOrtografia Simplificada da Língua Portuguesa, em 1945, renegociada em1986.
Em 1990, a Academia das Ciências de Lisboa convocou novo encontrojuntando uma Nota Explicativa do Acordo Ortográfico da LínguaPortuguesa, assinado por representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde,Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, eestabelecendo que o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entrará emvigor em 1 de janeiro de 1994...

Háquem afirme que:
Uma criança usa 1.000 palavras
Um adulto, 2.000;
Uma pessoa culta, 5.000
Um pessoa erudita, 10.000.
O bra ???p?sileiro médio usa 2.000 palavras
Dicionários
O Dicionário da Academia Brasileira de Letras tem 72 mil verbetes
O Dicionário de Antonio Houaiss 228.500
O Dicionário Michaelis 200.000
O Dicionário do Aurélio 160.000
O Dicionário Larousse Ilustrado 35.000
O Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa 120.000l
O maior Dicionário do mundo é oOxford English Dictionary com 615.00 verbetes. A 1ª edição saiu em1927, depois de 48 anos de pesquisas, com 414.825.
A gíria no Brasil teria um acervo de:
50 mil palavras.
No meu Dicionário, 28 mil
No de Viotti, 5 mil (1957)
No de Nascentes. 2,5 mil (1953)
No de Amadeu Amaral, 2,0 mil (1922)
No de Elysio Carvalho, 500 (1912)
No de Bock l,0 mil (1903)
As referências sobre gírias
Em Portugal, nos séculos
XVI (Gil Vicente, Jorge Ferreira de Vasconcelos)
XVII (Dom Francisco Manuel de Melo)
XVIII (padre Rafael Bluteau e Manoel Joseph Paiva)
No Brasil,
XIX (Manuel Antonio de Almeida, Aloizio de Azevedo, J.Romaguera Correa)
XX (Bock, Elysio de Carvalho, Amadeu Amaral, Antenor Nascentes, ManuelViotti, Monica Rector, Dino Pretti)

Comonascem as gírias.

Muitagente pergunta pelo correio eletrônico, bem como em entrevistas,encontros, seminários etc como nascem as gírias. ???p?
As formas são muitas:
1) neologismos, novas palavras com a lógica da língua, seja pelamorfologia ou fonética;
2) metaplasmos
3) bordões, jargões, refrões, chavões, clichês, gritos de guerra,palavras de ordem, etc
4) palavrões e calões
5) ditados, ditos e expressões populares, frases feitas, frases deefeito
6) modismos induzidos, especialmente na tevê, um bordão que vira modismo
7) modismos tecnificados, especialmente na publicidade, uma frase, umslogan, uma palavra de ordem que vira modismo
8) regionalismo, caipirismo
9) vícios de linguagem, barbarismos, solecismos
9) palavras inventadas
10) corruptelas ou corrutelas
11) duplo significado. Na etimologia, uma coisa. Na gíria, outra
12) inclusão ou supressão de letras e sílabas
3) preguiça de se pronunciar a palavra por inteiro
14) simplificação da linguagem.

Amaior palavra
A maior palavra da língua portuguesa não é anticonstitucionalissimamente,como durante muito tempo se falou,mas Pneumoultramicroscopicossilico-vulvcanoconiotico, com 46 letras., quesignifica estado de que é acometido de uma doença rara provocada pelaaspiração de cinzas vulcânicas.

opinioes.gif (1792 bytes)

"Estaobra é rica de signos e ???p? significados. Concordo com a observaçãodo autor de que ela "é a manifestação da língua viva", representandoapreciável vertente do nosso vernáculo."
Arnaldo Niskier, ex-Presidente da AcademiaBrasileira de Letras

"Quero dizer-lhe, muitolealmente, que você levou a bom termo alguma coisa de extremo interessepresente a futuro não só para a nossa lingua formal presente, mastambém para a informal, cujos enlaces você não deixou de apontar."
AntonioHouaiss, ex-Ministro da Cultura e membro da Academia Brasileira deLetras."Gosteimuito do Dicionário. É bom. Acho que Houaiss tem razão."
MarcosVinicius Vilaça, Ministro do Tribunal de Contas da União e membro daAcademia Brasileira de Letras"Um trabalho dessa ordem, pesquisando alinguagem falada do povo, das classes marginais tem, em nossos dias,uma importância muito grande para o estudo da lexicografia popular."
DinoPretti, Professor da USP."Serra escarafunchou meio mundo, aqui ealhures, região por região, por todo esse Brasil imenso, a fim deregistrar vocábulos e expressões de que se valem os brasileiros na suaprática coloquial cotidiana."
BlanchardGirão, Jornal ???p?ista.

"Trata-se de uma longapesquisa em que você contribui valiosamante para o linguajar falado dobrasileiro e isso ajuda sobremaneira a todos nós."
L.G.Do Nascimento Silva, ex-Ministro da Previdência e ex-Embaixador doBrasil em Paris."Desejo cumprimentá-lo pelo "Dicionário deGíria" que você teve a coragem de iniciar a perseverança de levar a bomtermo.
OsvaldoDella Giustina, ex-Reitor da Universidade de Tocantins.

"No seu livro, Serra eGurgel, adverte que disseminação dessa forma de Linguagem, não rarotambém divulgada pelos meios de comunicação, pode estar levando oportuguês falado no Brasil a se transformar numa língua ágrafa - ouseja, sem a correspondente representação gráfica para sua manifestaçãosonora."
Editorialdo jornal A GAZETA, de Vitória, ES.

VEJA AS EDIÇÕES ANTERIORES DO JORNALDA GÍRIA

JornalNovembro de 1999
JornalDezembro de 1999
JornalJaneiro de 2000
JornalFevereiro de 2000
JornalMarço de 2000
JornalAbril de 2000
JornalMaio/Junho de 2000
JornalJulho/Agosto de 2000
JornalSetembro/Outubro de 2000
JornalJaneiro/Fevereiro de 2001
JornalMarço/Abril de 2001
JornalMaio/Junho de 2001
JornalJulho/Agosto de 2001
JornalSetembro/Outubro de 2001
JornalNovembro/Dezembro de 2001
JornalJaneiro/Fevereiro de 2002
JornalMarço/Abril de 2002
JornalMaio/Junho de 2002
JornalJulho/Agosto de 2002
JornalNovembro/Dezembro de 2002
JornalDezembro/02 - Janeiro/03
JornalJaneiro/Fevereiro de 2003
JornalAbril/Maio de 2003
JornalJunho/Julho de 2003
JornalAgosto/Setembro de 2003
JornalOutubro/Novembro de 2003
JornalDezembro de 2003
JornalFevereiro/Março de 2004
JornalAbril/Maio de 2004
JornalJunho-Agosto de 2004
JornalSetembro/Outubro de 2004
JornalNovembro/Dezembro de 2004
JornalJaneiro-Abril de 2005
JornalMaio/Julho de 2005

JornalAgosto/Outubro de 2005
JornalJaneiro/Fevereiro de 2006
JornalMarço/Abril de 2006
JornalMaio/Junho de 2006
JornalAgosto/Setembro de 2006
JornalOutubro/Dezembro de 2006
JornalJaneiro/Fevereiro de 2007
Jornal Março/Abril de 2007
JornalMaio/Julho de 2007
JornalAgosto/Outubro de 2007
JornalNovembro/Dezembro de 2007
JornalJaneiro/Fevereiro de 2008

Jornal Março/Abril de 2008

JornalMaio/Junho de 2008
JornalJulho/Agosto de 2008
JornalSetembro/Outubro de 2008
JornalNovembro/Dezembro de 2008
JornalJaneiro/Fevereiro de 2009
JornalMarço/Abril de 2009
JornalMaio/Junho de 2009
JornalJulho de 2009
JornalAgosto de 2009
JornalSetembro/Outubro de 2009
JornalNovembro/Dezembro de 2009
JornalJaneiro/Fevereiro de 2010
JornalMarço/Abril de 2010
JornalMaio/Junho de 2010
JornalJulho/Agosto de 2010
JornalSetembro/Outubro de 2010
JornalNovembro/Dezembro de 2010
JornalJaneiro/Fevereiro de 2011
JornalMarço/Abril de 2011
JornalMaio/Junho de 2011
JornalJulho de 2011
JornalAgosto de 2011
JornalSetembro/Outubro de 2011
JornalNovembro/Dezembro de 2011
JornalJaneiro/Fevereiro de 2012
JornalMarço/Abril de 2012
JornalMaio/Junho de 2012
JornalJulho/Agosto de 2012
JornalSetembro/Outubro de 2012
JornalNovembro/Dezembro de 2012
JornalJaneiro/Fevereiro de 2013
JornalMarco/Abril de 2013
JornalMaio/Junho de 2013
JornalJulho/Agosto de 2013
JornalSetembro de 2013
JornalOutubro de 2013
JornalNovembro/Dezembro de 2013
JornalJaneiro/Fevereiro de 2014
JornalMarço/Abril de 2014
JornalMaio/Junho de 2014
JornalJulho/Agosto de 2014
JornalSetembro/Outubro de 2014
JornalNovembro/Dezembro de 2014
JornalJaneiro/Fevereiro de 2015
JornalMarço/Abril de 2015
JornalMaio/Junho de 2015
JornalJulho/Agosto de 2015
JornalSetembro/Outubro de 2015
JornalNovembro/Dezembro de 2015
JornalJaneiro/Fevereiro de 2016
JornalMarço/Abril de 2016
JornalMaio/Junho de 2016
JornalJulho/Agosto de 2016
JornalSetembro/Outubro de 2016
JornalNovembro/Dezembro de 2016
JornalJaneiro/Fevereiro de 2017
JornalMarço/Abril de 2017
JornalMaio/Junho de 2017
JornalJulho/Agosto de 2017
JornalSetembro/Outubro de 2017
JornalNovembro/Dezembro de 2017
JornalJaneiro/Dezembro de 2018
JornalMarço/Abril de 2018
JornalMaio de 2018
JornalJunho de 2018
JornalJulho de 2018
JornalAgosto de 2018
JornalSetembro de 2018
Jornal Outubro Novembro de 2018
Jornal Dezembro de 2018
Jornal Janeiro/Fevereiro de 2019
Jornal Março/Abril de 2019
Jornal Maio/Junho de 2019
Jornal Julho/Agosto de 2019
Jornal Setembro/Outubro de 2019
Jornal Novembro/Dezembro de 2019
Jornal Janeiro/Fevereiro de 2020


Jornalda Gíria Ano XXI- Nº 130 Março e Abril de 2020
 


Visiteo nosso Facebook,com as últimas questões gírias e da língua portuguesa.

Cliquenos ícones abaixoe veja ou ouça o que a equipe do Jornal da Gíria pesquisou sobre alínguaportuguesa e que é do seu interesse conhecer.

Ouçaaqui giria portuguesa e divirta-se ! (necessario PowerPoint )

 Veja o que mandouAntónio Pinho, de Lisboa: Aorigem da línguaportuguesa:

https://www.youtube.com/watch?v=EtBief6RK_I

Veja o que me mandouRubem Amaral Junior  :

http://youtu.be/sTVgNi8FFFM

vejaa despedida do trema  ! (necessario PowerPoint)

giria de angola :https://www.youtube.com/watch?v=YZdSGL54f-Y

Brasileirismos !(necessario PowerPoint)

Ouça  olink do programaSem Papas na Língua, com Ricardo Boechate Dionisio de Souza naBand News Fluminense, em 19,07.2018sobre o lançamento da 9ª. Edição do Dicionário de Gíria.

https://fatosfotoseregistros.wordpress.com/2018/07/19/spl20180719/

O Globo 22-02-2020

 Linguagem militar vira o novo ‘idioma’ do Planalto

Linguagem da caserna vira o novo ‘idioma’ do Planalto

Naira Trindade

23/02/2020 - 04:30

 
BRASÍLIA - Ao receber o texto final da reforma administrativa, o presidente Jair Bolsonaro avisou que iria “papirar” todo

o conteúdo da proposta antes de decidir sobre o envio ao Congresso. A expressão, que num primeiro momento soa estranha a civis,

faz parte de um vasto vocabulário militar que tem se tornado comum no Palácio do Planalto. Em pouco mais de um ano de governo, 

servidores já aprenderam que Bolsonaro não estuda, papira. Não dá dica, dá bizu. E, se a missão é fácil, trata-se de um “galho fraco”.

Três semanas atrás, quando Bolsonaro foi questionado por jornalistas se Onyx Lorenzoni, então ministro da Casa Civil, 

havia favorecido seu estado, Rio Grande do Sul, no primeiro ano de governo, respondeu:

— Se estiver acontecendo, teremos problemas pela frente, mas até o momento não plotei isso aí do Onyx não, até o momento — afirmou, 

usando a palavra plotar para dizer que não tinha descoberto nada sobre o tema.

Durante a cerimônia que transferiu o Conselho da Amazônia para o comando do vice-presidente Antônio Hamilton Mourão, 

o ministro Augusto Heleno (Gabinete da Segurança Institucional) explicou como nasceu o brado “selva”.

— O homem que contribuiu decisivamente para que a Amazônia aparecesse para o Brasil inteiro foi o coronel Jorge Teixeira — afirmou, 

explicando que o militar era avesso a burocracia e achava muito demorada a saída de viaturas do Centro de Instrução da Amazônia.

— Então, Teixeira adotou o seguinte: as viaturas que eram do Centro de Instrução, quando passassem pelo corpo da guarda, 

não precisam anotar número da viatura, quilometragem, quantos litros de gasolina, bastava falar “selva” e passar — explicou, 

convidando os presentes a fazer o brado no Planalto.

Heleno gritou: “Tudo pela Amazônia!” e os presentes responderam: “Selva!”.

 Em um ambiente altamente militarizado, com três ministros generais e um policial militar, aprendeu-se também o significado

de “missão dada é missão cumprida”, quando não se pode rejeitar o pedido do superior. Ou até mesmo que “dar as costas” significa 

confiar no parceiro de guerra, como o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) diz em relação a Braga Netto, 

que assumiu o comando da Casa Civil.

 
O novo dicionário palaciano

Acochambrar: ficar de corpo mole para executar alguma função, relaxar, vagabundar

Arrego: expressão usada quando se está muito indignado

Arranchar: comer

Avançar: entrar

Bisonho: pessoa inexperiente

Bizu: uma dica, um conselho

Baixaria: ato de fazer algo feio

Caserna: nome dado ao quartel

Camuflar: se esconder

Dar as costas: sinal de confiança

Dar golpe: burlar um regulamento

Dar sopa na crista: querer aparecer e não se dar bem por isso

Embuste: gabar-se, tirar onda, contar vantagem

Escamotear: fugir de responsabilidades

Estar de baixa: estar doente

Galho fraco: tarefa fácil de se cumprir

Ir na rota: seguir destino

Jangal: vem de jungle (selva, em português) e significa situação ruim, difícil

Laranjeira: quem vive dentro do quartel, quem mora no quartel

Missão cumprida: quando a tarefa é resolvida

Moita: quem não é visto, quem fica quieto

Mulambo: mal feito, mal vestido

No pau da goiaba: a coisa como ela realmente é; sem rodeios

Papirar: estudar

Paisano: civil

Piruar: se oferecer para algo; está piruando tirar serviço no próximo fim de semana

Plotar: descobrir

Raro: sujeito estranho, esquisito

Rolha: que não tem muita utilidade, sem objetivo, meio inútil

Sanhaço: situação difícil, preocupante, instável

Safo: descolado, esperto, que resolve todos os problemas, experiente

Segue o destino: ir embora

Selva: grito de guerra

Ter permissão: estar autorizado a tomar alguma medida

Torar: dormir

Última forma: esqueça o que eu disse, recuar de alguma decisão

Zaralho: bagunça

Zero: estar entre os dez primeiros da turma

Zero um: melhor colocado, número um da turma

 
(Colaborou Daniel Gullino)

'Um chopis e dois pastel': como surgiu o 'paulistanês', sotaque falado nas ruas de SP
 

Por Evanildo da Silveira Folha de São Paulo 02-02-2020  

  

São Paulo

 
"Um chopis e dois pastel", "choveindo", que também pode soar como chovennndo", "orra meu" e "véio" são expressões

ou pronúncias que tornam possíveis, para muita gente, a identificação do falante como nativo da cidade de São Paulo.

É o "dialeto" ou sotaque paulistano, tão diferente de outros, mas tão próprio e característico de quem o expressa, 

como o chiado o é para os cariocas. Ele se formou ao longo dos 466 anos da cidade, completados no dia 25 de janeiro de 2020.

Cada modo de falar é próprio de uma comunidade, seja um bairro, uma cidade, um estado ou país —basta ver as diferenças 

entre o português falado no Brasil e o de Portugal. O desenvolvimento do "paulistanês" é resultado da história da própria cidade.

No princípio eram os índios, com suas dezenas de línguas —cerca de 380 em todo país, na época do descobrimento— principalmente 

o tupi ou tupi antigo, falado pelas tribos de povos dessa etnia, que habitavam a maior parte do litoral do Brasil no século 16, aí incluído 

o Planalto de Piratininga, onde está assentada a cidade de São Paulo.

Entre elas estavam os tupinambás, tupiniquins, caetés, tamoios, potiguaras, temiminós e tabajaras. Depois vieram os colonizadores portugueses, 

de várias partes de Portugal, cada uma com seu linguajar e sua pronúncia. Mais tarde chegaram os escravos africanos e suas variadas línguas e,

mais recentemente, os imigrantes de diversos países, com destaque para os italianos.

"O sotaque da cidade de São Paulo é uma grande mistura", diz o músico e pesquisador Ivan Vilela, da Faculdade de Música, da Escola de Comunicações e Artes,

da Universidade de são Paulo (ECA-USP). "Inicialmente, até o final do século 19, era o caipira, que ainda está presente em todo o interior do estado, sul de Minas Geras e

Triângulo Mineiro, que foi o eixo de difusão da cultura bandeirante."

De acordo com ele, autor do livro "Cantando a Própria História: Música Caipira e Enraizamento", o "paulistanês" começa a receber uma série de injeções linguísticas a partir dessa época. 

"Para se ter uma ideia, em 1883 o censo da população da cidade mostrou um número maior de italianos do que de brasileiros", diz.

"Eles deixaram uma marca muito forte no sotaque paulistano, que pode ser visto na obra de Juó Bananère [pseudônimo usado pelo escritor e poeta 

brasileiro Alexandre Ribeiro Marcondes Machado para criar obras literárias usando o modo de falar da colônia italiana de São Paulo na primeira metade

do século 20] e quando se ouve Adoniran Barbosa."

Vilela explica ainda que o sotaque caipira foi "expulso" da cidade. "Num processo de modernização, São Paulo começou a banir todos esses traços arcaicos,

dentre eles a própria 'língua' caipira", diz. "Paralelamente a isso, houve a proclamação da República, com todo seu ideário positivista, que deu suporte a ela e

interferiu na relação da população com a cultura popular que a cercava. Começou a haver uma prevalência do saber erudito sobre o popular."

Depois começaram a chegar outras levas de imigrantes, como japoneses, espanhóis e libaneses. A consequência foi que em cada canto da cidade surgiu uma marca característica. 

"Na zona sul, na região de Santo Amaro, por exemplo, predomina o sotaque nordestino. Na zona norte a influência já é mais portuguesa", afirma Vilela.

Além disso, o êxodo rural em direção à capital, ocorrido a partir de 1920, como a derrocada da cultura do café, trouxe de volta o falar caipira para a 

cidade de São Paulo, segundo ele. A historiadora e linguista Lívia Oushiro, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), tem outra explicação para a presença,

até hoje, do sotaque caipira na capital.

"É difícil determinar se ele 'ressurgiu' na periferia ou se nunca desapareceu da cidade", diz. "Acho a segunda hipótese mais provável. 

Mas, sem dúvida, a sua presença nas periferias tem a ver com o grande influxo de migrantes do interior à cidade de São Paulo ao longo da 

segunda metade do século 20."

O TAL DO "R"

Ela explica que no Brasil, o grande diferenciador de sotaques é a pronúncia da letra "R", principalmente quando em final de sílaba,

em palavras como "porta" e "mulher". "Na capital paulista, há duas pronúncias principais para esse som: o chamado 'R retroflexo',

que é também conhecido como 'R caipira' e que está bastante presente na fala dos moradores de periferia [pense, por exemplo, 

num rapper falando 'certo, mano!']", explica.

"A outra é o chamado 'R tepe', que é usado principalmente nas regiões centrais da cidade." Esse R soa como na palavra "pirata", 

diferentemente do R retroflexo, que é usado em Piracicaba, por exemplo, como em "porrrta".

"O primeiro é considerado um traço mais 'central' geograficamente, e pode ter conotações de classe (mais alta)

e as concomitantes associações de formalidade", diz o linguista Thomas Daniel Finbow, do Departamento de Linguística,

da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da USP. "O retroflexo, por sua vez, é visto como mais periférico e informal."

Uma outra característica facilmente reconhecível do "paulistanês" é o jeito de pronunciar as sílabas "ti" e "di" 

—que soam como "tchi" e "dgi"—, de acordo com Lívia, que é autora da tese de doutorado sobre o tema. 

Ela lembra ainda da ditongação (união, em uma mesma sílaba, de uma vogal silábica e uma semivogal) do

"en" em palavras como "fazenda" e "entendendo". "Elas acabam sendo pronunciadas como 'fazeinda" e 'enteindeindo'."

São Paulo tem também vocábulos próprios. O paulistano usa, por exemplo "'marmita', 'busão' e 'mexerica' em vez de 'quentinha',

'coletivo/ônibus', 'tangerina/bergamota' de outras regiões", afirma a linguista.

"OS CARRO VERMELHO"

Se observar direito, quem visita a cidade vai notar que em algumas regiões, principalmente naquelas com

maior número de descendentes de italianos, como os bairros da Mooca e da Bela Vista (Bixiga), 

não se usa muito o plural, como em "os carro vermelho". Isso porque o italiano não usa o "s" para formar o plural.

"No caso do italiano, ele deriva do caso nominativo latino, cujo plural é formado pelo uso, no final da palavra, 

de 'i', para o masculino, e de 'e', para o feminino, e não do 's'", diz Manoel Mourivaldo Santiago-Almeida, 

doutor e pós-doutor em Letras e professor titular da USP.

"O português e o espanhol usam o "s", porque derivam do acusativo plural latino, que já o tinha. 

Isso é um exemplo de como a gramática de um idioma influencia outro."

Para Finbow, apesar de em muitos casos fugir das normas cultas da língua portuguesa,

não se deve considerar o sotaque paulistano —ou qualquer sotaque— como "errado".

"Ele não deveria ser enxergado como uma série de desvios da norma padrão, porque as raízes de alguns

traços das variedades paulistanas antecedem a formação de uma norma culta

e são fundamentalmente independentes dela", explica.

BBC News Brasil

 
"PORTUGUÊS" É O ÚNICO IDIOMA EM QUE SE PODE ESCREVER 

UM TEXTO SÓ COM A LETRA"P". PODEMOS PARTIR?

 
MANDOU-ME Dodora Marquesm de Acopiara, residete em ATENAS, Grécia.

 Pedro Paulo Pereira Pinto, pequeno pintor português, pintava portas, paredes, portais. 

Porém, pediu para parar porque preferiu pintar panfletos. Partindo para Piracicaba, pintou prateleiras para poder progredir.

Posteriormente, partiu para Pirapora. Pernoitando, prosseguiu para Paranavaí, pois pretendia praticar pinturas para pessoas pobres.

Porém, pouco praticou, porque Padre Paulo pediu para pintar panelas, porém posteriormente pintou pratos para poder pagar promessas.

.Pálido, porém perseverante, preferiu partir para Portugal para pedir permissão para papai para permanecer praticando pinturas,

preferindo, portanto, Paris. Partindo para Paris, passou pelos Pirineus, pois pretendia pintá-los. Pareciam plácidos, porém,

pesaroso, percebeu penhascos pedregosos, preferindo pintá-los parcialmente, pois perigosas pedras pareciam precipitar-se

principalmente pelo Pico, porque pastores passavam pelas picadas para pedirem pousada, provocando provavelmente pequenas 

perfurações, pois, pelo passo percorriam, permanentemente, possantes potrancas. Pisando Paris, pediu permissão para pintar 

palácios pomposos, procurando pontos pitorescos, pois, para pintar pobreza, precisaria percorrer pontos perigosos, pestilentos, 

perniciosos, preferindo Pedro Paulo precaver-se. Profundas privações passou Pedro Paulo. Pensava poder prosseguir pintando, 

porém, pretas previsões passavam pelo pensamento, provocando profundos pesares, principalmente por pretender partir prontamente 

para Portugal. Povo previdente! Pensava Pedro Paulo… "Preciso partir para Portugal porque pedem para prestigiar patrícios, 

pintando principais portos portugueses".

.Passando pela principal praça parisiense, partindo para Portugal, pediu para pintar pequenos pássaros pretos. Pintou, prostrou perante políticos,

populares, pobres, pedintes. - "Paris! Paris!" Proferiu Pedro Paulo. -"Parto, porém penso pintá-la permanentemente, pois pretendo progredir".

Pisando Portugal, Pedro Paulo procurou pelos pais, porém, Papai Procópio partira para Província. Pedindo provisões, partiu prontamente, 

pois precisava pedir permissão para Papai Procópio para prosseguir praticando pinturas. Profundamente pálido, perfez percurso percorrido pelo pai.

Pedindo permissão, penetrou pelo portão principal. Porém, Papai Procópio puxando-o pelo pescoço proferiu: -Pediste permissão para praticar pintura,

porém, praticando, pintas pior. Primo Pinduca pintou perfeitamente prima Petúnia. Porque pintas porcarias? -Papai, proferiu Pedro Paulo,

pinto porque permitiste, porém preferindo, poderei procurar profissão própria para poder provar perseverança, pois pretendo 

permanecer por Portugal. Pegando Pedro Paulo pelo pulso, penetrou pelo patamar, procurando pelos pertences, partiu prontamente, 

pois pretendia pôr Pedro Paulo para praticar profissão perfeita: pedreiro! Passando pela ponte precisaram pescar para poderem prosseguir peregrinando.

Primeiro, pegaram peixes pequenos, porém, passando pouco prazo, pegaram pacus, piaparas, pirarucus. Partindo pela picada próxima,

pois pretendiam pernoitar pertinho, para procurar primo Péricles primeiro.

 
Podem Partilhar!

Continuo na  minha luta solitária para vender o Dicionário de Gíria.

Face a crise das livrarias que estão sumindo e sendo substituídas por farmácias , festa food e oficinas de corte de cabelo, unhas e estética, Nada mau,

Os interessados no livro poderão adquiri-lo mediante e mail.

Aos interessados informaremos conta para depósito.

O livro será enviado pelos Correios, se não forem extintos nos próximos meses.

 


 

 Deposite a sua gíria

 


Visitante de numero: 642514!